Quem sou eu

Minha foto
Sou Capitão da Polícia Militar, Pedagogo, Especialista em Segurança Pública, Já ocupei as funções de Diretor do Colégio da Polícia Militar-PB (nov2009-jun2017), Coordenador-Geral do PRONATEC na Paraíba (mai2016-mai2017) e Coordenador de Polo do PBVest (2015-jun2017). Atualmente componho o Estado-Maior Estratégico da Polícia Militar da Paraíba, na função de Coordenador do EM/4-Políticas de Prevenção. Acredito que o nosso Brasil pode melhorar muito mais, na medida em que todos possam colaborar com as suas capacidades. TWITTER : @ElmerMelz ; FACEBOOK: Elmer Melz

quinta-feira, 11 de julho de 2013

Simo Häyhä – O Morte Branca

.
Na história da Terra tivemos diversos heróis e diversos vilões, alguns mais conhecidos e famosos que outros, mas foram homens que mudaram o rumo da história e serão sempre lembrados por seus feitos. Por isso vamos lembrar e contar a história dessas pessoas que mudaram o mundo e tornaram-se lendas:

Simo Häyhä – O Morte Branca

simo-hayha1
Como havia nascido no interior, próximo à fronteira com a Rússia, Simo foi criado em uma fazenda, onde fazia os trabalhava junto com seu pai e também caçava, algo que fazia excepcionalmente bem com um rifle. Até seus dezessete ele levou a vida normal e quando chegou a essa idade alistou no exército, como era obrigatório e serviu por um pequeno tempo. Sendo dispensando em 1926.

Mal sabia o mundo, mas no dia 01 de dezembro de 1905 na pacata cidade de Rautjärvi, no interior da Finlândia, nascia Simo Häyhä, o homem que viria a se tornar uma das maiores lendas do século XX, o maior soldado dos tempos modernos, um homem capaz de lutarsozinho contra um exército e exterminar seus inimigos sem que eles jamais soubessem de onde vinha o tiro, esse era Simo Häyhä, também conhecido como “O Morte Branca”.

884208
Simo Häyhä em 17 de Fevereiro de 1940 recebendo seu rifle honorário modelo 28, durante a Guerra de Inverno
Durante mais treze anos, Simo vivei tranquilamente na fazenda de sua família e sua maior preocupação era sobreviver ao rigoroso inverno. Porém em 1939, quando a União Soviética resolveu invadir a Finlândia, ele foi chamado para cumprir o dever de proteger seu país, assim como todos que tinham idade o bastante para carregar uma arma, afinal o poderoso exército socialista era infinitamente maior e melhor equipado do que o da pequena e pacifica Finlândia.


Chamado às pressas, ele foi designado como franco atirador na fronteira, devido a sua habilidade com o rifle. Por ser muito baixo, Simo teve que usar um rifle Mosin-Nagan adaptado, junto com seu uniforme totalmente branco, pois aquelas batalhas seriam lutadas na neve da Finlândia.

Todos os dias ele ia armar emboscadas contra os exércitos russos, pois como o poderio finlandês era muito menor, eles tinham de usar táticas de guerrilhas, fazendo emboscadas e armadilhas, e Simo se tornou um especialista nisso. Escondendo-se na neve ele fazia montes que serviam para abafar seus tiros, além disso, não utilizava mira telescópica, pois dessa maneira podia atirar mais escondido e não havia perigo da lente refletir o sol.
simo-hayha-3.jpg.w300h292
Simo dava apenas um tiro por posição e como sua mira era excepcional conseguia, mesmo sem a mira de “sniper”, acertar os inimigos a mais de uma centena de metros, dizem que ele era certeiro a até mesmo 400 metros. Durante 100 dias ele matou mais de 500 soldados russos e jamais foi descoberto e ninguém sabia de onde ele atirava. Cada vez que um inimigo caia por um tiro dele, o pelotão entrava em desespero, pois estavam enfrentando um inimigo invisível e mortal.
Dessa maneira, matando um por um e sempre mudando sua posição, Simo sobreviveu e deixou sua marca no exército russo, que o chamava de “Morte Branca”.
mountains-wallpaper-8
200px-Simo_hayha_second_lieutenant_1940
Dezenas de vezes os russos tentaram pegar seu grande inimigo, porém ele era mais esperto e sempre escapava ou matava os atiradores que tentavam lhe pegar desprevenido. Ele só foi encontrado uma vez, onde lutou contra um soldado russo no corpo a corpo e acabou tomando um tiro no rosto, mas mesmo assim conseguiu matar seu inimigo, contudo seu rosto ficou deformado com a marca da guerra.

Durante muitos anos Simo sofreu com o maldito ferimento, mas felizmente conseguiu recuperar, mesmo tendo a mandíbula dilacerada. Depois da guerra ele voltou a sua vida normal, caçando e vivendo no interior.

1288453569215
Simo morreu em 2002, com quase cem anos de causas naturais. Ele disse que jamais se arrependeu do que fez, dizia que apenas cumpriu as ordens e protegeu seu país da melhor maneira possível. Esse era Simo Häyhä, o Morte Branca, o maior soldado que o mundo viu, um homem lendário.

Nenhum comentário:

Postar um comentário